UX pode não ser aquilo que você está imaginando: saiba o porquê!

Você sabe o que é UX? Conhece suas vantagens e desvantagens? Sabe se ele realmente funciona para sua empresa? A Insight te ajuda a desvendar esses mistérios!

UX pode não ser aquilo que você está imaginando: saiba o porquê!

Se você é uma pessoa antenada e por dentro do universo digital e suas crescentes tendências, você provavelmente já ouviu falar nesta pequena sigla que possui um significado enorme. O UX, ou User Experience, traduzido como Experiência do Usuário, pode ser chamado de um processo que visa antever problemas, oferecendo soluções baseadas em conceitos de Design Thinking.

O UX está em crescente tendência no mercado, e vêm sendo procurado por muitos profissionais que desejam oferecer experiências únicas e inovadoras para seus clientes, despontando o seu negócio, consequentemente.

Entretanto, é preciso saber afundo sobre o tema e captar as suas principais armadilhas para evitar qualquer ruído na comunicação e falha no processo de experiência do usuário. Pensando no sucesso do seu negócio, a Insight preparou um blog contando um pouco mais sobre UX, como funciona e listando as principais armadilhas que você deve evitar. Tenha uma excelente leitura! 

Introdução a Experiência de Usuário (UX) 

UX, nada mais é, do que um processo para projetar uma experiência. E não apenas isso, mas um processo que visa projetar uma experiência agradável e memorável, afinal, quem não gosta de ter as suas expectativas atendidas ao comprar um produto ou serviço?

O aplicativo Super Player, concorrente do Spotify, capta informações do ambiente, oferecendo a melhor playlist e que combine com com o estado atual do usuário. Por exemplo, se o consumidor está correndo no parque, o aplicativo disponibiliza uma playlist para corridas e exercícios físicos. Genial, não? É isso que o UX faz, e por isso, tantas empresas querem criar estratégias baseadas em UX para aplicar em seu negócio. O processo de experiência do usuário é muito similar ao processo de pesquisa, veja só:

  • Entender as necessidades do usuário;
  • Gerar ideias para solucionar problemas;
  • Planejar como vai ser esse projeto;
  • Desenhar o que deseja construir;
  • Criar quais são as entregas que serão feitas;
  • Permitir que o usuário vá testando o produto;
  • Coletar feedbacks para aprimorá-lo;
  • Medir se o projeto está atingindo os resultados esperados;
  • Medir se os usuários estão completando as tarefas que eles gostariam com sucesso.

Vale lembrar que a Experiência de Usuário será boa ou ruim, dependendo se os usuários irão conseguir ou não realizar a tarefa desejada. 

As 6 principais armadilhas do UX 

Apesar de ser uma das maiores tendências do digital, caso não for bem aproveitado, o UX pode sim se tornar um perigo, e acabar prejudicando o desempenho e o rendimento dos resultados da empresa. Por isso, é importante saber as suas principais armadilhas e garantir que você não irá cair nelas!

1 – Não se apaixone pela primeira ideia

Muitas vezes, a primeira ideia parece ser perfeita para solucionar todos os problemas, porém, prender-se apenas a uma única opção pode ser um erro que pode custar muito caro. Daí surge a importância de executar várias ideias e só depois, analisar a melhor proposta.

2 – Não focar no sucesso do usuário.

A maioria das pessoas considera um produto pronto quando ele tem a estética e funcionalidade em harmonia. Muitas vezes, esse fato torna-se verdade, mas apenas se o usuário do produto obtiver sucesso em desempenhar a função desejada com aquele produto, caso contrário, o produto torna-se um completo fracasso. 

3 – Criar o produto certo para a pessoa errada.

A identificação do target é essencial para evitar que esse erro aconteça, além de poder custar muito tempo e dinheiro. A pior parte dessa armadilha é que seu produto faria total sentido e diferença na vida dos usuários certos. 

4 – Apostar em suposições não validadas.

Investir em um projeto ou produto que não tenha as validações necessárias faz com que você dê um tiro no escuro, expondo você e o seu projeto ao fracasso instantâneo. 

5 – Não fazer lançamentos intermediários para coletar feedbacks.

Durante as etapas de desenvolvimento, é providencial que você tenha o acompanhamento do usuário de perto para coletar os feedbacks dos consumidores e ter resultados mais assertivos.

6 – Não se apoiar em métricas, ou pior, apoiar-se em métricas de vaidade.

Não ter embasamento para medir os avanços do seu produto faz com que você não tenha a estrutura necessária para identificação de erros e acertos, além de não conseguir fazer as projeções futuras.

Dicas para evitar as armadilhas de UX 

Apesar de serem perigosas, as armadilhas de UX podem sim serem evitadas, basta apenas tomar o cuidado necessário com os primeiros passos e criar um planejamento estruturado do que você irá fazer antes de iniciar a sua estratégia. A seguir, separamos algumas dicas para que você possa complementar o seu planejamento e evitar possíveis prejuízos. 

1 – Design Sprint e Lean Ux.

Utilizar técnicas com Design Sprint e Lean Ux auxiliarão no desenvolvimento de ideias e validação, fazendo com que por meio do processo de Design Thinking, você possa reduz riscos ao trazer um novo produto, serviço ou recurso ao mercado.

2 – Framework de narrativa Pixar (Pixar Storytelling) Future Press Realese.

O Pixar Story Telling é uma forma de você gerar uma narrativa sobre seu produto de maneira que deixe todos os integrantes da equipe na mesma página. O objetivo dessa ferramenta é comunicar melhor o produto que você quer construir, entender as frustrações e realizações do seu usuário e também entender como seu produto vai se encaixar na vida dele ou no processo de trabalho em que estará envolvido.

Estrutura do Pixar Story Telling:

Era uma vez  ________________________.        Todos os dias ________________________.

Um certo dia ________________________.          Por causa disso ________________________.

Por causa disso ________________________.          Até que finalmente ______________________.

  • Com o “Era uma vez”, identificamos as personas;
  • Com o “Todos os dias”, identificamos qual o problema que tem que ser resolvido;
  • Com “Um certo dia”, apresentamos a solução para esse problema;
  • Com “Por causa disso”, apresentamos os valores que o produto entrega;
  • Com “Até que finalmente”, atingimos a meta e solucionamos o problema.

3 – Proto-persona e entrevista com o usuário.

Traçar as personas e fazer entrevistas com usuários é essencial para verificar se aquele usuário realmente precisa do seu produto. O quanto antes você fizer isso, menos dinheiro e menos tempo serão desperdiçados, e por isso, é muito importante evitar a armadilha.

4 – Evite o risco e sempre valide antes de continuar (Lean UX: Priorização de hipóteses).

Novamente, o Lean Ux pode salvar a sua pele. No momento da criação de um produto, é extremamente importante validar e verificar se o produto se está indo pelo caminho correto. A priorização de hipótese faz com que você entenda as etapas de desenvolvimento do seu produto, identificando quando devem ser feitas as validações para minimizar erros e principalmente criar soluções.

5 – Estabeleça marcos importantes, nos quais você entregará um conjunto de valores para seu usuário. Utilize Roadmaps de entrega.

Fazer lançamentos intermediários é extremamente importante para que você enxergue que, primeiro, o projeto está desenvolvendo-se, e segundo, corrigir todo e qualquer gargalo que seja identificado. Utilizar Roadmaps te ajudará com o planejamento e a comunicação da visão de futuro que você tem para seu produto.

6 – Sem métricas e ferramentas: 

– Como você vai descobrir se o produto realmente está ajudando o usuário?

– Como descobrir se as pessoas estão realmente usando o produto ativamente?

– Como descobrir por que as pessoas não estão comprando?

Métricas HEART, Daily Weekly, Monthly Actives Users, NPS, KPY’s são as chaves para mensurar os resultados e fazer com que as decisões sejam mais assertivas e menos complicadas.

A importância de se conhecer UX a fundo 

A Experiência de Usuário pode ser boa ou ruim. O que norteia como ela ocorrerá é a base do seu planejamento. Existem diversas armadilhas que, com o auxílio de métricas e ferramentas disponíveis, podem ser evitadas e corrigidas a tempo, trazendo os bons resultados que uma boa UX pode proporcionar. E como realizar este planejamento? Como garantir que você não irá cair nessas armadilhas ou pior, como evitar que o seu produto ou serviço se tornarão um fracasso? A resposta é simples: estratégia. 

Você pôde ver que a palavra estratégia foi muito utilizada ao longo do texto, pois ela é exatamente o que se precisa para começar qualquer processo dentro do universo digital. Uma boa estratégia demanda conhecimento e autoridade no assunto, e assim que for alcançada, tem como consequência resultados positivos e bem aproveitados.

Felizmente, a Insight se orgulha em dizer que é referência em marketing digital no ABC por utilizar o UX como ferramenta para alcançar ainda mais conquistas. Nossa missão é compartilhar os nossos conhecimentos com nossos clientes e parceiros e transformá-los em autoridades em seu segmento de atuação, assim como nós.

A Insight oferece uma consultoria completa em UX, além de todas as estratégias que envolvem design, desenvolvimento e comunicação. Acreditamos que este processo visionário e inovador pode mudar a maneira de como a comunicação é vista, melhorando ela. Sabemos que você se interessou pelo tema, e por isso, disponibilizamos o link do nosso portfólio abaixo para que você possa dar uma olhadinha em nossos trabalhos com estratégias reais de UX: https://insightgrupo.com.br/portfolio-dex/

Caso precise da nossa ajuda, queira saber ainda mais sobre como o UX pode ajudar o seu negócio e marcar uma reunião, entre em contato conosco através do nosso site ou em nossas redes sociais:

https://linktr.ee/insightcdigital 


Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Thiago Messina

Thiago Messina